quarta-feira, 27 de outubro de 2010

emoções

"As emoções" Por Carla Carvalho Modelo Soraia Bastos

"As emoções" Por Inês Furtado
Tudo na vida vale a pena, pois tudo o que a vida nos dá, é para ser vivido.

 "You and I" por Deyvis Malta


 “Olha, toca e sente” por Deyvis Malta
Sê tu mesmo, sem quaisquer tristezas, angústia ou até raiva. Abdica de tudo, pela tua felicidade.

“In love” por Deyvis Malta
Não sejas parvo ao ponto de te entregares, sabendo que mais tarde a tristeza falará mais alto.


"Broken heart" por Carla Carvalho
O amor revolta-nos, traz-nos a tristeza maior do mundo.

Conceito

"Mas era preciso arriscar. E tu? o que estás disposto a arriscar?"

Eu, eu arrisco todas as minhas emoções para obter apenas uma, aquela que para mim vale tudo, o mundo. Arrisco tudo, para obter a felicidade, felicidade essa traduzida numa paz de espírito, numa fuga de todos os problemas, como se o meu corpo deixasse de existir e ficasse apenas a minha alma, em forma dessa "felicidade" que eu pinto com as minhas próprias cores. Arrisco o amor, que é a emoção que nos trás mais tristeza, arrisco o ódio, que nos traz a maior insegurança e arrisco a indiferença, que nos pode criar um zero, arrisco tudo isso, para ficar bem comigo mesma, ser eu em forma de paz de espírito. Como se fosse um grão de arei que voasse com o vento. Apenas eu mesma.


Módulo 2

Cerâmica - módulo 2

sábado, 16 de outubro de 2010

Projecto e Tecnologias - Peças finais

 primeira peça, anel, em que uma das partes mostra a escrita de braille.

 segunda parte do anel, arame com lã enrolado.

 segunda peça, base em cartão

 a primeira peça com a segunda

 a segunda peça, ainda em construção

 as costas da segunda peça, já terminada.

 segunda peça, também com a escrita de braille

 experimentação da terceira peça (ainda em construção)

Todas as peças, embora a terceira ainda esteja em construção.




APRESENTAÇÃO FINAL:

video

domingo, 3 de outubro de 2010

Exploração de ideias




Um dos livros que mais me pode inspirar é o "Ensaio sobre a cegueira", desde já transcrevo uma crítica do escritor José Saramago:
"Este é um livro francamente terrível com o qual eu quero que o leitor sofra tanto como eu sofri ao escrevê-lo. Nele se descreve uma longa tortura. É um livro brutal e violento e é simultaneamente uma das experiências mais dolorosas da minha vida. São 300 páginas de constante aflição. Através da escrita, tentei dizer que não somos bons e que é preciso que tenhamos coragem para reconhecer isso."